sexta-feira, 18 de maio de 2018

DIFERENÇA DE ORDENADOS ENTRE A CHANCELER ALEMÃ (310.000€) E UM ADMINISTRADOR DA TV (399.000€)


Contradições na Democracia representativa - Tráfico de influências?

António Justo
Os salários dos administradores do serviço público de rádio e televisão causam escândalo na sociedade alemã. Dos 12 administradores, sete deles (da DW, DLR, SR, RB, RBB, HR e MDR) recebem um vencimento anual entre 207.000€ e 275.000€ e cinco (da ZDF, SWR, NDR, BR e WDR) recebem entre 321.860€ e 399.000€. A chanceler Ângela Merkel ganha por ano 310.000€.

Na Alemanha, cada lar ou apartamento paga por mês 17,50€ de contribuição para a Rádio e TV. De facto, isto torna-se num imposto indireto. É um serviço prestado e muitos negam-se a tal serviço ou são sobrecarregados pelo facto de terem duas habitações têm de pagar em duplo. Por tudo isto, o Tribunal Constitucional tem em mãos a análise da constitucionalidade de tal prática; a decisão sairá no outono!

Seria de perguntar porque é que administradores do serviço público têm maior ordenado que a representante do Estado. Será que os que, com a sua redacção, decidem sobre o que o povo deve ou não ouvir, prestam um maior serviço público ao povo do que a chefe do governo? Ou será que, tal como acontece com ex-presidentes da república, devem ser agraciados com luxuriantes ordenados? As regalias têm a função de lhes fecharem a boca para não estragarem o negócio dos ainda activos. Se não há, pelo menos, fica-se com a impressão de haver tráfico de influências.

Seria oportuno que o povo e alguns jornalistas se questionassem sobre isto. Doutra maneira tornamo-nos todos cúmplices. O mesmo se dá com ordenados exímios de futebolistas e que, embora da actividade privada, deveriam ser moderados para não se tornarem em afronta ao povo e à democracia representativa. Por onde anda a credibilidade, pelo menos, daqueles que se dizem do lado do trabalhador, ou que fazem o negócio à sua conta? 

Numa Europa com uma moral de pernas cada vez mais abertas, muitos até procuram fugir aos impostos e o que é mais cínico, fazem-no para se não tornarem cúmplices do exagero dos privilégios de certos servidores públicos.  
António da Cunha Duarte Justo

segunda-feira, 14 de maio de 2018

FESTIVAL DA CANÇÃO DA EUROVISÃO 2018


Um Modelo para um Festival VisãoLusofonia

António Justo
Sob o mote «Todos a bordo!» realizou-se o festival (eurovision Song Contest 12.05.2018) perante um público presencial de 11.000 pessoas e muitos milhões de telespectadores dos 43 países participantes.
Venceu Israel (esta é a quarta vez que vence), com a canção «Toy» interpretada por Netta. A artista soube, de maneira diferente, fazer valer a diferença transmitindo, ao mesmo tempo, a mensagem de que as mulheres não são nenhum brinquedo nas mãos dos homens. O que sobressai pela diferença, foi uma das características que se afirmou na memória dos países ao distribuírem os pontos pelas 26 apresentações de artistas. A canção de Cláudia Pascoal, com a sua digressão ao jardim da avó, não favorecia o espalhafato das emoções, o que levou ao incómodo último lugar, o lugar 26 na qualificação.

Apesar dos favoritos Suécia, França, República Checa, Noruega e Estónia, os três primeiros lugares vencedores foram para Israel, Chipre e Áustria. O 4° lugar, conseguido poe Schulte, para a Alemanha, com a balada “Deixas-me andar sozinho”, dedicada ao falecido pai, mostra que o festival também tem espaço para cenários menos pirotécnicos.

A organização do espectáculo e sua a execução revela alto profissionalismo e competência.  Sem fogo de artifício, foi espectacular a encenação inicial do espetáculo e as intervenções musicais que se seguiram à competição.

Numa ética do pensar a partir do nós, da canção “Amar pelos dois”, diria, numa mística lusitana, foi expresso o espírito universal e profundo do que significa lusofonia, numa simbiose lusófona de Salvador Sobral e Caetano Veloso, com o pianista Júlio Resende.  

Em contraposição a uma música tecnocrata, a alma lusa lá estava a dar corpo à Europa, tal como o fez com D. Henrique e os Descobrimentos.

Um Projecto para um Festival da Lusovisão?

Lusovisão poderia tornar-se num projecto dos países lusófonos com potencialidades para fomentar os ‘biótopos’ culturais dos diferentes países/regiões no sentido de se institucionalizar a diversidade das culturas num todo feito de complementaridades. 

A criação de um canal de Lusovisão comum, comparticipada pelos diferentes países lusófonos, poderia tornar-se num segundo ou terceiro canal de cada país, dedicado inteiramente à cultura e à arte na CPLP (todos os falantes de português e suas variantes: Angola, Brasil, Cabo Verde, Galiza, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste, Goa, Damão e Diu e outras comunidades falantes).

 Na sequência da criação de um canal de Lusovisão, seria natural ter-se o Festival da Eurovisão como modelo para um projecto de Festival LusoVisão a criar-se na comunidade de língua portuguesa.

A canção das lusitanidades seria um festival de arte e cultura onde a diversidade unida tornaria uma alma forte a afirmar-se na concorrência das civilizações; juntaria sinergias diversas e poderia tornar-se também numa reacção correctora de uma globalização sem coração e num antídoto contra a uniformização cultural em via. Seria um ensejo para proteger o cariz humano e feminino, proteger a província, à nossa maneira, contra a metropolização ou monopolização cultural.
 
De facto, ao contrário da francofonia, que tem como base um conceito político, a lusofonia tem como base um conceito linguístico e cultural e como tal deveria criar o seu lugar de expressão e de encontro a esse nível.

Particularmente, cada nação carece de capacidade para se defender na concorrência com uma cultura latifundiária… A defesa de uma certa sustentabilidade local só poderá ser eficiente se se servir de supraestruturas em que o regional seja guardado sem, contudo, esquecer as leis da evolução que se resumem na selecção e domínio pelo mais forte ou na colaboração dos mais fracos para se defenderem e afirmarem juntos. Um tal projecto seria um contributo na defesa da sobrevivência das regiões e dos “biótopos” ecológico-culturais, sem ter de perder o comboio da História; o futuro será de quem se antecipa; o que fez Portugal com a iniciação dos descobrimentos (dando novos mundos ao mundo) seria hoje a missão dos países lusófonos. Um país, um espaço intercultural só terá sucesso se tiver uma missão à frente e tiver consciência de a querer cumprir.

Para isso há que meter mãos à obra e conservar a tensão da unidade na diversidade num universo de culturas e paisagens, todas elas complectivas. 

A Lusofonia de espírito global católico e de alma honesta e genuína encontra-se já a deslizar no coração de todos nós, mas, para aparecer, terá de ser construída numa multiplicidade de eus a partir do nós. 

Vamos todos antecipar o futuro, começando não só a nível de associações, mas também a nível universitário, administrativo e de organizações económico-comerciais, como propunha em 2012!
Chegou a hora de construirmos uma cultura arco-íris contra a monocromia em via.

© António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo, http://antonio-justo.eu/?p=4788

quinta-feira, 10 de maio de 2018

A MERCEDES (DAIMLER AG) OFERECE 320.000 € A PARTIDOS


Em 2018, tal como no ano passado Daimler AG doa 320.000 euros a partidos, com assento no Parlamento . 

DAIMLER oferece 100.000 euros à CDU, 100.000 euros ao SPD, 40.000 euros à CSU, 40.000 euros ao FDP e 40.000 euros aos Verdes. Estas ofertas são feitas com o pretexto de apoio ao trabalho político; o AfD e Linke não recebem nada.

Segue-se o princípio lógico: “tu dás-me a mim e eu dou-te a ti”!  Poder-se-ia concluir que se trata de troca de influências numa perspectiva de interesses.

De louvar, no inlouvável, o facto de isto não acontecer às escondidas.

António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo, http://antonio-justo.eu/?p=4786

quarta-feira, 9 de maio de 2018

ANULAÇÃO DO ACORDO NUCLEAR COM O IRÃO PELOS USA: UM PERIGO E UMA CHANCE


Trump cumpre uma Promessa eleitoral
António Justo
Apesar das presumíveis vantagens que o Pacto nuclear com o Irão poderia trazer, o acordo tem muitas lacunas e não impede o Irão de vir a construir a Bomba atómica; o texto, além de não ser transparente possibilita ao Irão o fomento do terrorismo no Próximo-Oriente, que aumentou depois de assinado o contrato. Com a assinatura do contrato em 2015, os USA só tinham propriamente suspendido as sanções económicas. Para tal basta ver o texto completo do acordo nuclear com o Irão, que pode ser lido aqui .
Os Compromissos do Acordo

Segundo o acordo, tal como refere a imprensa alemã, o Irão submete o seu plano de enriquecimento de Urânio a um sistema de restrições e controles pela Agência Internacional de Energia Atômica por um período até 25 anos. As Centrífugas de urânio instaladas devem, nos primeiros 10 anos, ser reduzidas de 19.000 para 6.000. O enriquecimento de urânio só poderá ser feito até 3.65%, percentagem suficiente para centrais energéticas. Para a produção de bombas atómicas o urânio teria de ser aumentado de 90%. Os estoques de urânio existentes serão reduzidos, nos próximos 15 anos, de 10.000 para 300 quilogramas. Quanto às instalações nucleares o enriquecimento de urânio deve realizar-se na central já existente em Natan; além disso, o reator de água pesada Arak deve ser reconstruído de modo a não poder produzir plutónio adequado para armas nucleares. A instalação nuclear de enriquecimento de urânio de Fordo deve ser transformada num centro de pesquisa atómica. A proibição das Nações Unidas à importação e exportação de armas é prorrogada por 5 anos. Também as importações que poderiam servir o programa de mísseis do Irão, permanecem suspensas por oito anos. Em contrapartida foram levantadas as sanções económicas do ocidente. No caso de infração por parte do Irão poderão ser, novamente, accionadas sanções económicas.

Vantagens e Desvantagens do (Des)Acordo

Com o acordo, o Irão alcançou o seu principal objetivo oficial de negociação, que era o reconhecimento internacional do direito ao enriquecimento de urânio e deste modo a não abdicar, a longo prazo, da construção da bomba atómica.
 
Com o bloqueio do acordo por parte de Trump, o Irão verá a exportação de petróleo reduzida e a Europa verá as suas exportações para o Irão minoradas. O regime dos mullahs perderá força e atratividade para investimentos internacionais dado a instabilidade social interior crescer. Com o empobrecimento do Irão aumentará o fanatismo que apoia a ditadura teocrática do Irão. 

A desvinculação do acordo terá que ser também avaliada no contexto do perigo que trouxe o acordo e na consequência do qual (2015) o Irão incrementou o terrorismo na região. Sem os USA e sem a Rússia não haverá estabilidade no próximo oriente.
 
A rotura de um acordo torna-se num caso grave de credibilidade dos USA que não se salda com o simples argumento da falsidade do Irão.

As sanções económicas provocarão a subida do petróleo como já tinham prognosticado especialistas no assunto e empobrecerão as empresas dos estados fortes da europa que virão limitadas as suas exportações e no caso de firmas terem negócios nos USA e no Irão terão de pagar imensas multas por transgredirem as sanções americanas.

Pontos críticos do Acordo

O acordo nuclear com o Irão foi de princípio um acordo a abortar. O busílis da questão vem do que o acordo não regula. “Os primeiros termos do acordo feito expirarão, em parte, dentro de sete anos, permitindo então ao Irão aumentar o nível de enriquecimento de urânio” (HNA, 9.05.2018). 

Onde assenta a credibilidade de um acordo em que o Irão pode continuar a incrementar a construção de mísseis nucleares balísticos e onde passados uns anos lhe é permitida a continuação do programa que tinha inicialmente? O acordo favorecia o negócio das grandes potências e os seus negociadores não estavam interessados em obrigar o Irão a abandonar o seu papel de desestabilizador do Próximo-Oriente e dá estabilidade à ingerência dos grupos internacionais fortes na região: aqueles que assinaram o contrato: EUA, Rússia, Alemanha, França, Inglaterra e pelo Irão.  

Com o acordo o Irão ficou com as costas economicamente livres para fomentar a desestabilização na região. Ele permite ao Irão continuar a apoiar as milícias do terror do Hamas e do Hezbollah (Líbano), os rebeldes no Iêmen e a fomentar o terrorismo internacional em geral. O povo iraniano não tem beneficiado do negócio acordado.

Os adversários de Israel mostram-se muito preocupados esquecendo que o Irão continua com o objectivo da extinção de Israel.

O projeto de lei de Obama com a sua ameaça de veto, caso o Parlamento não aprovasse a assinatura do contrato e a sua afirmação "O acordo decide da guerra ou da paz" revelam a precaridade do contrato e o seu caracter enganoso. Não tem passado muito além de papel impresso atendendo ao desenvolvimento bélico promovido em grande parte pelo Irão na região. 

A posição da União Europeia é compreensível na base de cálculos económicos. A rivalidade na liderança do mundo entre Rússia e USA só se complicará com um terceiro elemento cujo interesse se esgota na economia. Penso que a EU terá de se orientar no sentido da Rússia se pretender um lugar demarcado nas novas constelações que irão surgir a partir da Ásia.

A paz no Próximo-Oriente depende das relações USA-Rússia e o bem-estar futuro da Europa dependerá das suas boas relações com a Rússia. Penso que o resto é música de encher no adiamento da História.
António da Cunha Duarte Justo