sábado, 15 de dezembro de 2018

TRÊS GÉNEROS: MASCULINO, FEMININO E DIVERSO

O Parlamento alemão legislou que para pessoas em que a sexualidade seja ambígua, isto é, o corpo tenha características  masculinas e femininas, se permita a inscrição no registo de nascimento do género “Diverso”. A partir de janeiro, há um terceiro género no registro de nascimento.

Antes a lei previa “masculino”, “feminino” e “sem indicações”. Posteriormente pode ser corrigido o registo e mudado o nome, mediante a apresentação de atestado médico para casos em que tenha havido  uma "variante do desenvolvimento sexual". Isto já é prática na Argentina, Dinamarca, Malta, Noruega, Bélgica e Chile.

De facto também a biologia se engana na distribuição de cromossomas e hormonas. Acontece muitas vezes que a ambiguidade mais tarde se dissolve no masculino ou feminino, mas também há casos em que se mantém algo próprio.

Na Alemanha avalia-se que haja 160.000 pessoas neste caso.

Que o caracter  binário seja aqui questionado não prejudica ninguém pelo facto de se reconhecer isto. O tribunal constitucional (2017) tinha aberto o caminho para tal lei declarando que o direito fundamental à dignidade humana é individual e a lei deve seguir a realidade da vida humana e não o contrário.
António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo http://antonio-justo.eu/?p=5171

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

NATAL - Uma pausa no dia-a-dia para se poder viver a vida

BOM ADVENTO E FELIZ NATAL

Uma pausa no dia-a-dia para se poder viver a vida

António Justo


A partir do outono, a natureza inicia o seu retiro para entrar em si mesma e amealhar forças, no recolhimento do inverno.  

A Igreja colocou o Natal no Inverno, associando-lhe a natureza, como alegoria, da preparação para a vinda do Salvador e “Luz do mundo”. Sem luz nada pode crescer e nenhuma vida pode surgir. Com o Natal os dias começam a crescer. A natureza como “sombra de Deus”, também ela se encontra a caminho de Belém (o princípio e fim da História).

O Advento é o tempo da procura e da espera da luz no caminho individual e universal. Tudo se junta num esforço comum para se alinhar na ordem criadora contra as trevas do caos.

Quando chega a noite (o inverno) torna-se necessária a luz que nos alumie o caminho. Velas também são metáforas do advento, na peregrinação da vida. Não é por acaso que, no Advento, as nossas cidades se encontram cheias de luzes criando uma atmosfera quase espiritual. Aquelas luzes são também elas metáforas da luz que é Jesus.

Na Alemanha (países nórdicos onde a natureza se faz sentir mais) há o costume de se colocar na mesa das famílias (e até se dependurar nas igrejas e noutros locais menos sagrados) a grinalda do advento, uma coroa com quatro velas que se vão acendendo, uma a uma, consecutivamente, nas quatro semanas de advento (tempo antes do Natal) e que indica a preparação preliminar para a chegada da luz plena (o menino Jesus). Com o andar do Advento, tal como acontece na natureza também na vida interior e exterior, tudo se vai tornando mais claro. Todas estas luzes apontam para uma luz maior ainda escondida no presépio e também no interior de cada um. Daí o caminho a fazermos também em direcção a nós; o monge dominicano Mestre Eckhart alertava: “Deus está em casa em nós, mas nós estamos fora ( vivemos no exterior).

A este respeito, acho muito oportuno o aforismo de Karl Valentin que diz: "Amanhã vou-me visitar ... vamos ver se estou em casa!”

Hoje na agitação da vida quotidiana torna-se importante fazer-se uma visita a si mesmo se não nos queremos deixar programar por agendas estranhas e passar a repetir a dança de “maria vai com as outras”. Depois de andar tanto por fora, ou até na casa dos outros, é necessário entrar em minha casa e verificar o que, realmente, faz parte de mim. No presépio de mim mesmo poderei ver se sou verdadeiro amigo de mim (no centro de cada um jorra a luz divina, que constitui o fundamento da ipseidade) para poder ser amigo e tornar-me abrigo também para os outros. No advento posso ter um pouco de tempo para me alegrar e discutir um pouco mais comigo.

A natureza também fala e dá sinal; ela renuncia à folhagem de si para depois voltar a reconhecer-se na alegria da exuberância de se poder oferecer. O mesmo fez Jesus ao recolher-se no deserto durante quarenta dias porque a missão que tinha era muito exigente e requeria o encontro na ipseidade para poder atuar abrangendo a realidade por fora e por dentro.

Geralmente somos puxados pela agenda do dia-a-dia ou pela rotina que nos alheia; ela é que geralmente manda, não deixando tempo para esperarmos por algo maior que o dia. Sob a ordem dela não temos tempo para as coisas verdadeiramente nossas; vivemos, isto é, existimos sem espaços nem pausas para a vivência e ideias próprias surgirem e passarem na tela da visão de novas paisagens.

O ócio e as pausas são o melhor terreno onde a criatividade e o pensamento surgem, possibilitando o sentir a ressonância da vida, como que o respirar de Deus que nos e inebria, à margem do dever das nossas actividades.

O Advento é uma oferta, uma oportunidade inserida no calendário da vida para não deixar que o estresse, o sobre-emprego e a azáfama tomem conta de nós e nos enrolem de tal maneira que o dia-a-dia tome conta de nós. O advento é aquela pausa da velocidade no tempo que, por vezes, falta no meu calendário; este dá a oportunidade de pegar nele e nele colocar aquilo que seria esquecido ou negligenciado ou que também, por falta de vontade ou de iniciativa, não incluiria na lista dos “afazeres” do dia-a-dia.

Muitas doenças da era atual vêm do facto de querermos viver, mas não vivermos por sermos vividos. Ao conhecer as próprias falhas (demasiado activismo ou falta de iniciativa, de motivação, ou mesmo inibição para agir) posso procurar agarrar a vida nas mãos e evitar que o calendário deixe de ser uma colecção de folhas em branco ou de folhas todas cheias que não deixem espaço para me incluir no calendário. Nas pausas adventícias posso rever no calendário espaços para actividades conscientemente intencionais e prever coisas novas e espaços para coisas maiores do que o dia-a-dia, tempos para coisas de maior dimensão e que podemos equacionar na palavra Deus.

Quem não tem acesso à religião, sem precisar de ser devoto, pode aproveitar-se do Advento para colocar-se a pergunta: para que é que vivo; qual é o sentido do que faço agora; o que faz sentido? Deus podemos vê-lo ou experimentá-lo na Igreja, numa paisagem, num passeio, num ugar deserto ou encontra-lo nos outros.

Na Alemanha ainda há famílias que durante o Advento se reúnem à noite à volta da grinalda do advento para falarem do que geralmente não se fala, fazerem uma oração, contarem uma história ou lerem um texto; a esta é chamada “horinha do advento” (Adventsstundelein).

Recordo-me ainda muito bem da alegria que reinava no tempo antes do Natal (aquele Tempo fora do tempo em que realidade e fantasia não se contradizem porque congregadas numa só atitude de esperança naquilo que nos faz falta). A ida à missa do galo, o leite quente com cacau ao voltar dela, o cheiro a velas, a canela, as boas festas expressando alegria e gratidão era um verdadeiro carrossel da expressão do milagre vivo dentro e fora do coração. Nessa noite irmanavam-se a realidade litúrgica à social: a atmosfera do ambiente, a pobreza e a simplicidade. Nessa altura, tínhamos a impressão que Deus vinha à rua e se tornava visível em todo o mundo reunido em volta do menino no presépio.

Advento pode ser um tempo de aprendizagem para ver e observar onde se encontra Deus hoje na minha vida e nos outros; através dele posso aprender a ver o mundo com outros olhos e a encontrar-me nele doutra maneira. Para lá da esfera em que normalmente vivemos há outra realidade mais abrangente e mais profunda. A Deus, chegam todos os caminhos! O Advento pode ajudar-nos a ver e sentir esse milagre que brilha na criança de Belém.

Bom Advento e feliz Natal

© António da Cunha Duarte Justo
Teólogo e pedagogo
In Pegadas do Tempo

(1)    Entre os links apresentados no texto pode ver textos meus sobre o Natal também em: https://antonio-justo.blogspot.com/2007/

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

SINCRETISMO CHINÊS ANIMA O NEGÓCIO NÃO SÓ EM PORTUGAL


A Civilização mais compatível com o Globalismo

Por António Justo
Ainda a respeito do texto sobre (“Presidente chinês faz negócio em Portugal”), um leitor questionou o facto de eu  ter aludido aos direitos humanos para a China (país dos cem nomes) porque é um povo com uma cultura totalmente diferente, e que encara a vida numa perspectiva pragmática em que o ideal cristão da dignidade da pessoa só estorvaria.

De facto, como se nota já na especificidade da língua mandarim, depreende-se dela uma outra estrutura mental que se expressa em outras maneiras de pensar e numa mundivisão totalmente diferente da europeia. Na impressão que se tem com chineses, à primeira vista, nota-se que são pessoas que têm uma maneira mais objectiva e utilitária na maneira de ver, de viver e de se relacionar.

A cultura chinesa é polivalente, e manifesta um génio sincrético que consegue colocar em funcionamento utilitário tradição, deuses, comunismo e capitalismo no sentido de tudo se mover ao serviço dos próprios desejos: daqui se pode depreenderá também uma inclinação especial para o negócio.

É uma civilização que desde o século passado se encontra em mudança total e como tal torna-se imprevisível o futuro desenvolvimento de uma civilização tão antiga e tão rica. No contexto de civilizações e sob a pressão de um globalismo nivelador, a civilização ocidental deveria estar consciente do que tem de específico a guardar para a humanidade, isto é, a dignidade da pessoa humana, mas sem transformar esta consciência adquirida para legitimar ou fomentar guerras, como tem feito sob o argumento da defesa de valores/direitos humanos. Cada povo, cada cultura, cada civilização tem uma coerência interna a ser respeitada mutuamente.  

Num mundo cada vez mais ditado pelo negócio e numa competição, que não deveria perder de vista a complementaridade e a inclusão, seria um grande empobrecimento para a humanidade se as relações de futuro só fossem determinadas por um utilitarismo chinês que valorize mais o negócio e a instituição do que o indivíduo, tal como se dá na cultura árabe, no neocapitalismo e no comunismo. Daí também a necessidade da China se abrir ao humanismo cristão e do Ocidente redescobrir em alguns de seus princípios doutrinais tradicionais, uma imanência também característica dos chineses.

Dos chineses podemos aprender a sua relação familiar como base das relações sociais em harmonia com a natureza. A sua relação especial na expressão família, vida e morte, foi certamente transmitida através do culto aos antepassados em sintonia com a natureza e com o universo.  Uma mundivisão em que deuses, pessoas vivas e mortas coexistam em relação, sustem um caracter que lhe dá sustentabilidade. Esta mundivisão faz-me lembrar (embora de forma mais abstrata mas também mística) a realidade do mistério da trindade no Cristianismo que possibilita a unidade na diversidade mas que, infelizmente, é pouco comentada na sociedade ocidental.

A sociedade ocidental, tal como a sociedade tradicional chinesa, encontra-se em perigo, devido ao capitalismo liberal do deus Mamon (dinheiro, eficiência material e lucro) que tudo nivela para tornar a pessoa, isto é, transformar o indivíduo em mero cliente para que, deste modo, este se torne mundialmente, massa maleável e compatível e então tornar possível uma plutocracia económica e ideológica de um governo mundial que através de ONGs especiais supera países, regiões, regiões etc.

O confucionismo conseguiu guardar o legado do passado chinês e presenciá-lo de forma orgânica. Sistematizou toda a vida chinesa numa espécie de organigrama que possibilitou uma filosofia de vida social que deu forma e consistência à vida do chinês no seu dia a dia, de forma a fomentar uma corresponsabilidade natural criando sintonia entre vida humana e natureza.

O budismo assimilado pela cultura chinesa assumiu toda essa riqueza de comunhão com a natureza dando-lhe uma perspectiva transcendental também no que respeita à questão da vida depois da morte na complementação do taoismo.

A tradição do culto do imperador e uma visão funcionalista da pessoa facilitaram a assimilação da doutrina comunista ocidental. Esta provocou a questionação de todo o sistema confuciano. Agora o globalismo liberal completa a obra abusando de muitas características da tradição e da antropologia chinesa; aqui a avalanche do globalismo provoca mais facilmente a nivelação geral do que no ocidente onde o travão civilizacional oferece mais consistência. Daí a ferocidade implícita em agendas bastante combativas no ocidente. A revolução cultural em via contra a cultura ocidental é especialmente agressiva contra o catolicismo, tal como o comunismo maoista fora contra o confucionismo.

Os novos regentes em Pequim, para darem consistência ao sistema comunista procuram apresentar Mao Zedong como a nova autoridade conectora do ideal chinês, servindo-se, agora para isso de Confúcio em segundo plano; este não tinha deixado de ser em parte venerado durante a revolução cultural; agora colocado num segundo plano ao lado de Mao revela-se como boa fonte de regras bem apuradas para disciplinar a massa crítica popular e servir de instância contra a corrupção de funcionários. A arte deve substituir a religião no intuito de orientar as pessoas e lhes possibilitar mudança…

Na Europa, a tradição da dignidade humana e dos direitos humanos ainda constitui um certo empecilho ao globalismo liberal (imposição dos interesses globais aos interesses individuais, nacionais e civilizacionais, mediante desconstrução cultural, conexões e agendas), para isso seve-se do relativismo de leis e valores para favorecer a estratégia do seu domínio global através de ONGs que ganhem mais poder de influência que as nações.

Atendendo aos prossupostos do ideário cultural, a China é certamente a civilização mais apta para dar resposta e até para gerir o globalismo como intentona anticivilizacional. Daí a necessidade da Europa se tornar consciente disto e saber defender-se contra a proletarização cultural em via.
  
A globalização aproveita-se na China de uma mentalidade comunitária (tipo nacionalismo que prescinde do indivíduo) que é, neste sentido, semelhante à islâmica e ao comunismo proletário, em que o indivíduo é considerado apenas um meio, um instrumento a operar em função da sociedade que é superior a ele, pelo facto de este não ser acompanhado da dignidade inviolável humana (caracter divino da pessoa); isto é, para eles, o indivíduo só vale em função do grupo, o que impede uma criação da relação de valores fundamentais da pessoa como soberana, o que é próprio da mundivisão da civilização cristã ocidental (isto é, o que a Civilização cristã tem a transmitir ao mundo: a compatibilidade do humano com o divino, do grupo com a pessoa numa unidade profunda que diria quase natural e, em termos cristãos, de incarnação-ressurreição). O respeito mútuo das civilizações deve ser palavra de ordem porque cada uma corresponde a um corpo orgânico próprio que só pode ser ordenado num superorganismo na qualidade de órgão dele e não instrumentalizada ou até declarada como campo de batalha dos pseudoprogressistas da onda em voga.

Ao falar da necessidade da China se abrir aos valores da pessoa e sua dignidade queria apontar para um aspecto fundamental de um humanismo que daria mais sustentabilidade à China. Estou convencido que este é o caminho que também corresponde a uma verdadeira  visão global de Teilhard de Chardin e ao aprofundamento da fórmula trinitária que revela muito de comum (compatível) e de enriquecimento mútuo no diálogo das civilizações.

O bom senso comum reconhece que ninguém é tão rico que não tenha algo para receber e ninguém é tão pobre que não tenha nada para dar! Para isso as civilizações terão de abandonar a sua legitimação da guerra que provém do sentimento de superioridade.

© António da Cunha Duarte Justo
In Pegadas do Tempo, http://antonio-justo.eu/?p=5154